A EVERGREEN, Inserida na OCEAN Alliance, Vai Mobilizar 330 Navios Para Novos Serviços

A OCEAN Alliance é uma parceria lançada em 2017, da qual a EVERGREEN faz parte. Nos seus moldes iniciais esta aliança tinha uma validade de cinco anos prorrogável por mais cinco. Este novo acordo começará em abril de 2019 e terá vigência até 2027.

O “Day 3 Product” como é chamado, vai permitir disponibilizar maior oferta com 38 serviços, recorrendo aos tais 330 navios. Assim, no global, terá uma capacidade de transporte na ordem dos 3,8 milhões de TEU.

A parceria é composta por quatro linhas de transporte contentorizados. O seu objetivo principal é o de disponibilizar a maior oferta no comércio Transpacifico, assim reforçar a oferta tanto no mercado Asia – Europa como no mercado Asia – Mediterrâneo. Com 19 serviços no Transpacifico, e um reforço na oferta entre a Ásia e a Europa com a adição de um 7º serviço e uma maior oferta entre a Ásia e o Mediterrâneo, a Aliança deverá ir ao encontro dos seus objetivos.

Para além disso, a OCEAN Alliance vai ligar o Norte da Europa à Costa Este dos EUA e ao Golfo do México com dois serviços Transatlânticos, disponibiliza 4 serviços entre a Ásia e o Médio Oriente, e dois serviços entre a Ásia e o Mar Vermelho.

_

_

Oferta do “Day 3 Product” da OCEAN Alliance

A oferta, atualizada e melhorada da OCEAN Alliance, é a seguinte:

_

7 Serviços Asia – Europa:

AEU1: Shanghai-Ningbo-Xiamen-Yantian-Singapore-SUEZ Canal-Felixstowe-Zeebrugge-Gdansk-Wilhelmshaven-Piraeus-SUEZ Canal-Port Kelang-Hong Kong-Shanghai

AEU3: Tianjin-Dalian-Qingdao-Shanghai-Ningbo-Singapore-SUEZ Canal-Piraeus-Rotterdam- Hamburg-Antwerp- Rotterdam-SUEZ Canal-Shanghai-Tianjin

AEU7: Xiamen-Nansha-Hong Kong-Yantian-Cai Mep-Port Kelang-Suez Canal-Piraeus-Hamburg-Rotterdam-Zeebrugge-Felixstowe-Suez Canal-Singapore-Yantian-Xiamen

AEU2: Busan-Ningbo-Shanghai-Yantian-Singapore-Suez Canal-Algeciras-Southampton-Dunkirk-Hamburg-Rotterdam- Southampton -Le Havre-Malta-SUEZ Canal-Jebel Ali-Port Kelang-Xiamen-Busan

AEU6: Qingdao-Ningbo-Shanghai-Yantian-Cai Mep-Singapore-SUEZ Canal-Le Havre-Rotterdam-Hamburg-Antwerp-Le Havre-Algeciras-SUEZ Canal-Port Kelang-Nansha-Qingdao

AEU5: Kaohsiung-Qingdao-Ningbo-Shanghai-Taipei-Yantian-Tanjung Pelepas-SUEZ Canal-Rotterdam-Felixstowe-Hamburg-Rotterdam-SUEZ Canal-Colombo- Tanjung Pelepas -Kaohsiung

AEU9: Shanghai-Ningbo-Kaohsiung-Shekou-Colombo-SUEZ Canal-s-Antwerp- Hamburg-Rotterdam- SUEZ Canal-Port Kelang-Shanghai

_

5 Serviços Asia-Mediterrâneo:

AEM1: Qingdao-Shanghai-Ningbo-Kaohsiung-Hong Kong-Yantian-Singapore-SUEZ Canal-Piraeus-La Spezia-Genoa-Fos-Valencia-Piraeus-SUEZ Canal -Colombo-Singapore-Hong Kong-Qingdao

AEM2: Qingdao-Tianjin-Pusan-Shanghai-Ningbo-Nansha-Yantian-Singapore-SUEZ Canal-Malta- Valencia- Barcelona -Fos-Genoa-Malta -Beirut-SUEZ Canal-Jeddah-Port Kelang-Xiamen-Qingdao

AEM3: Pusan-Shanghai-Ningbo- Xiamen-Shekou-Singapore-SUEZ Canal-Port Said -Beirut-Piraeus-Istanbul Evyap (Izmit)-Istanbul Ambarli (Avcilar)-Constanza-Odessa-Istanbul Ambarli (Avcilar) -Mersin-Port Said-SUEZ Canal-Jeddah-Port Kelang-Pusan

AEM5: Qingdao-Shanghai-Ningbo-Taipei-Yantian-Shekou- Tanjung Pelepas-Port Kelang-SUEZ Canal-Ashdod-Haifa-Alexandria-Mersin-Piraeus-SUEZ Canal-Jeddah-Tanjung Pelepas-Shekou-Kaohsiung-Qingdao

AEM6: Shanghai-Ningbo-Pusan-Shekou-Singapore-SUEZ Canal-Malta-Koper-Trieste-Rijeka-Venice-Koper -Malta –Port Said -SUEZ Canal-Jeddah-Port Kelang-Shekou-Shanghai

_

8 Serviços no Sudoeste do Pacífico:

AAS2: Fuqing-Nansha-Hong Kong-Yantian-Xiamen- Los Angeles-Oakland-Fuqing

CEN: Tianjin-Qingdao-Shanghai-Ningbo-Prince Rupert-Long Beach -Oakland-Tianjin

SEA2: (AWE5)-Port Kelang-Singapore-Jakarta-Laem Chabang-Cai Mep- Los Angeles -Oakland-Hong Kong-(AWE5)

AAC2: Qingdao-Shanghai-Ningbo- Los Angeles -Oakland-Tokyo-Qingdao

AAS: Kaohsiung-Cai Mep-Hong Kong-Yantian-Kaohsiung- Long Beach –Kaohsiung

AAS3: Taipei-Xiamen-Shekou-Yantian- Los Angeles -Oakland-Taipei

AAS4: Yantian-Hong Kong-Kaohsiung-Taipei- Los Angeles -Oakland-Tacoma- Kaohsiung –Yantian

AAC4: Ningbo-Shanghai-Pusan- Long Beach -Pusan-Ningbo

_

4 Serviços no Noroeste do Pacífico:

MPNW: Yantian-Xiamen-Ningbo-Shanghai-Pusan-Seattle-Vancouver-Yantian

CPNW: Hong Kong-Yantian- Ningbo- Shanghai-Prince Rupert-Vancouver-Yokohama-Shanghai-Hong Kong

EPNW: Yantian-Kaohsiung-Shanghai-Ningbo-Tacoma-Vancouver-Tokyo-Osaka-Qingdao-Yantian

OPNW: Shekou-Hong Kong-Yantian-Kaohsiung-Vancouver-Seattle-Pusan-Kaohsiung-Shekou

_

7 Serviços Asia – Costa Leste da América do Norte e Golfo do México:

AWE1: Qingdao-Ningbo-Shanghai-Pusan-Colon-Savannah-Charleston-Boston-New York-Colon-Qingdao

AWE2: Qingdao-Ningbo-Shanghai-Pusan-New York-Norfolk-Savannah-Qingdao

AWE3: Xiamen-Hong Kong-Yantian-Kaohsiung-Colon-Savannah-Baltimore-Norfolk-New York-Xiamen

AWE4: Cai Mep-Hong Kong-Yantian-Xiamen-Shanghai-Colon-New York-Savannah-Charleston-Cai Mep

AWE5: (SEA2)-Hong Kong-Cai Mep-Singapore-Port Kelang-Colombo-Halifax-New York-Norfolk- Savannah-Charleston-Port Kelang-(SEA2)

GME: Shanghai-Ningbo-Xiamen-Yantian-Houston-Mobile-Tampa-Shanghai

GME2: Singapore-Hong Kong-Shekou-Ningbo-Shanghai -Pusan-Houston-Mobile-New Orleans- Tampa-Miami-Singapore

_

2 Serviços Transatlânticos:

TAE: Southampton-Antwerp-Rotterdam-Bremerhaven-Le Havre-New York-Norfolk-Savannah-Charleston-Southampton

EAG: Le Havre-Antwerp-Rotterdam-Bremerhaven-Charleston-Miami-Veracruz-Altamira-Houston-New Orleans-Le Havre

_

4 Serviços Asia – Médio Oriente:

MEX: Qingdao-Shanghai-Ningbo-Nansha-Singapore-Jebel Ali-Abu Dhabi-Dammam-Abu Dhabi-Port Kelang-Shanghai

MEX2: Pusan-Lianyungang-Qingdao-Shanghai-Hong Kong-Shekou-Singapore-Jebel Ali-Dammam-Jubail-Abu Dhabi-Port-Singapore-Nansha-Pusan

MEX4: Tianjin-Qingdao-Ningbo-Shekou-Singapore-Sokha-Jebel Ali- Hamad-Dammam-Bahrain-Singapore-Yantian-Tianjin

MEX5: Shanghai-Ningbo-Taipei-Shekou-Tanjung Pelepas-Port Kelang-Jebel Ali-Umm Qasr-Jebel Ali-Port Kelang-Hong Kong-Shanghai

_

2 Serviços Asia – Mar Vermelho:

RES1: Tianjin-Qingdao-Ningbo-Nansha-Shekou-Singapore-Jeddah-Sokhna-Aqaba-Jeddah-Port Kelang-Ningbo-Tianjin

RES2: Shanghai-Ningbo-Taipei-Xiamen-Shekou-Singapore-Djibouti-Jeddah-Sokhna-Aqaba-Djibouti-Singapore-Shanghai

_

_

As rotações do serviço estão sujeitas a alterações, reavaliações e à procura do mercado.

O EVER GRADE Também Já Está ao Serviço da EVERGREEN

O Ever Grade chegou ao serviço da EVERGREEN no passado dia 15 de janeiro.

Depois da entrega de 5 ULCVs – Ultra Large Container Vessels (Ever Goods, Ever Golden, Ever Genius, Ever Given e Ever Gifted), esta foi a vez do Ever Grade entrar ao serviço da EVERGREEN, o sexto de onze. A entrega destes navios “megamax” de 20.388 TEU, começou em março de 2018 e está prevista estar concluída em setembro deste ano.

 _

Características dos Novos ULCV

EVER GOLDEN
EVER GOLDEN

Tal como os seus irmãos, este navio G-Class é equipado com um motor MAN-B&W G95ME, com 11 cilindros, debitando cerca de 59.250 kW. Consequentemente este motor permite-lhe atingir velocidades que podem chegar aos 21 nós.

No que concerne às dimensões. Os ULCVs medem cerca de 400 metros de comprimento, com cerca de 59 metros de boca. Isto leva a que tenha uma capacidade que pode chegar aos 21 000 TEU. Estes gigantes do mar foram desenhados com um maior calado por forma a permitir maior robustez ao casco. Isto leva, assim, a que se consiga aumentar a segurança na navegação.

 _

O Ever Grade é Mais Uma Aposta na Europa

O Ever Grade incorporou a Ocean Alliance com o serviço Asia – Europa na rota “NEU6”. Na EVERGREEN este serviço corresponde ao “CEM” China – Europa – Mediterrâneo.

Os navios da EVERGREEN que operavam esta rota tinham capacidade de cerca de 14.000TEU. Esta frota que está a ser substituída por navios de 20.000TEU de capacidade. O primeiro navio “megamax” a ser integrado no “CEM” foi o Ever Golden, que veio da “NEU3” no início dezembro passado.

Este é, portanto, um aumento de capacidade de transporte alocado ao mercado Europeu. Assim a Ocean Alliance reconhece valor à Europa, assim como o seu potencial de crescimento.

_

Este é um programa de aumento e rejuvenescimento de frota da EVERGREEN. Com isto vai ser possível aumentar a qualidade do serviço que nós, Green Ibérica, fornecemos aos nossos clientes. Vamos ainda poder cumprir uma das premissas identitárias mais importantes da EVERGREEN, reduzindo de forma significativa, as emissões de gases poluentes para a atmosfera.

Ever Gifted - ULCV - Evergreen - Green Ibérica

O Ever Gifted iniciou operações ao serviço da Evergreen Line

O Ever Gifted é o quinto de onze dos novos navios G-class, os maiores porta-contentores da Evergreen. As dimensões destes navios são de 400 metros fora a fora, com 59 metros de boca.

A entrega destes gigantes do mar começou em março de 2018, sendo que a entrega do último está prevista para setembro próximo.

O motor é um MAN-B&W G95ME, com 11 cilindros, debitando cerca de 59.250 kW. Este motor permite-lhe atingir velocidades que podem chegar aos 21 nós.

O Ever Gifted navegou em lastro do Japão para Quindao/China, no dia 16 de dezembro, para se juntar ao serviço da Ocean Alliance Asia – Europa, na rota “NEU6”. Portanto este serviço corresponde ao “CEM” China – Europa – Mediterrâneo da Evergreen.

Os navios da Evergreen que operavam esta rota tinham capacidade de cerca de 14.000TEU. Esta frota que está a ser substituída por navios de 20.000TEU de capacidade. O primeiro navio “megamax” a ser integrado no “CEM” foi o Ever Golden, que veio da “NEU3” no início dezembro passado, sendo substituído por um navio de 14.000TEU de Capacidade.

Este aumento de capacidade de transporte alocado ao mercado Europeu é um sinal claro da aposta da Evergreen na Europa. Com isto reconhece-lhe valor assim como potencial de crescimento.

Importações, Importar para Portugal

Como Importar para Portugal – Linhas Orientadoras

Exportar de e Importar para Portugal, podem ser as únicas soluções para ter uma empresa com um modelo económico viável, num mercado de dimensão limitada como é o português.

Hoje em dia, se se quer ter uma empresa economicamente sustentável, principalmente num mercado de dimensão limitada como é o nosso, as fronteiras podem – devem – ser meras referências geográficas, sem uma importância determinante na delimitação do espaço em que ocorre o negócio. É nesse contexto que surgem as Importações e Exportações de produtos – ou transações intracomunitária de bens, quando se tratam de negociações de mercadorias dentro da União Europeia, e que são fruto dos acordos estabelecidos.

Importar para Portugal em segurança não é nada de demasiado complexo. No entanto é um processo que pode abarcar alguns riscos. É importante que se identifiquem esses riscos por forma a estar preparado para eles, para que assim, se torne possível mitigá-los. Há que ter atenção para que tudo decorra sem incidentes.

Com este artigo, a Green Ibérica pretende fazer uma pequena abordagem ao tema e dar algumas dicas que o podem ajudar a entrar nesse processo.

 

Planeamento

Em primeiro lugar, o planeamento é fundamental. É verdade que, como bons portugueses, temos sempre muito presente em nós a arte de “desenrascar”. Mas talvez seja melhor guardar esta qualidade cultural para outros campos. É preciso desenvolver um bom plano de negócio por forma a saber/definir o caminho estratégico a seguir. Pesquise, calcule, disponibilize recursos e descreva pormenorizadamente todas as ações necessárias.

 

Certifique-se que Está Legalmente Apto a Importar para Portugal

Depois de planear e de saber exatamente o caminho a seguir, certifique-se que a sua empresa responde a todos os requisitos legais que lhe permitam efetuar este tipo de transações. Então assegure-se que o NIPC da empresa está regular e que inclui a atividade de importação e exportação no objeto social.

 

Selecione os Seus Fornecedores de Importação

É um dos pontos mais importantes para o sucesso do negócio. Para se assegurar da fiabilidade dos potenciais fornecedores, e para importar para Portugal, visite feiras, conferências, congressos, etc. onde estes possam estar presentes. O simples facto de marcarem presença neste tipo de eventos acaba por transmitir confiança. Isto para além do contacto pessoal com a empresa, com os seus representantes e com os seus produtos/serviços, o que pode ajudar a aferir se é o que o seu negócio precisa. Para além disso, procurar por referências nunca será de descorar. Tente saber um pouco mais de e para onde a empresa comercializa, quem são os seus clientes. Se possível, chegue ao contacto com esses clientes para ouvir a sua experiência.

Existem diversos websites que o podem ajudar na pesquisa dos melhores eventos direcionados para o que pretende. O n’Feiras e o 10times são dois exemplos, mas há muitos mais, para isso basta pesquisar um pouco pela área que lhe interessar.

 

Visite a Fábrica do Fornecedor

Não há forma melhor de conhecer o seu fornecedor e o seu produto, do que avaliar in loco. Caso tenha essa possibilidade, verifique o processo de produção. Isto inclui condições da maquinaria, certificados, normas de segurança e tudo mais que sirva para atestar a seriedade e qualidade do seu fornecedor.

 

Elabore uma Folha de Custos

Nem sempre é fácil perceber imediatamente o quanto irá pagar, isto porque o valor do produto é apenas um dos custos que poderá vir a ter. Informar-se acerca dos impostos, taxas, seguros e outros montantes que envolvem a transação de importar para Portugal, vai ajudá-lo na negociação e a determinar a viabilidade da mesma.

Assim, antes de fechar negócio, tenha em consideração todos os potenciais custos, que poderão incluir:

  • Transporte Internacional;
  • Seguro de Transporte Internacional;
  • Imposto de Importação;
  • Taxas Aduaneiras;
  • IVA;
  • Despesas Bancárias;
  • Taxas Portuárias;
  • Taxas de Armazenamento;
  • Despachante Aduaneiro;
  • Transporte interno…

 

Negoceie os Incoterms

Na altura da negociação é possível que o fornecedor lhe ofereça três intercoms[1] relacionados com o transporte da mercadoria. As diferentes opções terão diferentes características e, portanto, diferentes custos:

  • FOB – Free On Board (ou FCA – Free CArrier, utilizado em carga aérea) – Abrange os custos de transporte das mercadorias desde a fábrica (ou outro local de envio) até ao porto de embarque da carga. A partir daí os custos ficam a cargo do comprador.

  • CFR – Cost and FReight – O vendedor fica responsável pelo transporte marítimo até ao porto de destino. O comprador que fica responsável pelos transportes complementares.

  • DAP – Delivery At Place – É o serviço o que abrange todos os transportes da mercadoria, desde o local de origem até ao local de destino.

Escolher o melhor incoterm vai depender muito do conhecimento e dos contactos que tem, principalmente no local de origem do produto que adquire.

 

Documentos Necessários para Importar para Portugal

Depois de se efetuar o embarque, o exportador envia diversos documentos que permitirão que o importador liberte as mercadorias na alfândega. Tenha bastante atenção aos detalhes nos documentos, já que pequenas imprecisões podem gerar grandes problemas, no limite pode ir até à apreensão dos bens. Procurar um parceiro experiente pode ser importante quando não tem esses conhecimentos do seu lado.

Existem leis globais e portanto documentação que é obrigatória, sejam quais forem os países de origem e de destino das mercadorias. Para além dessas leis globais, existem também as legislações locais que devem ser estudadas, para que não venha a ter surpresas desagradáveis.

Alguns documentos mais importantes à importação:

  • Bill of Lading (ou B/L) – É o documento mais importante para o transporte marítimo. É emitido pelo Armador (ou pelo agente de transporte, como é o caso da Green Ibérica) para terem conhecimentos sobre um carregamento de mercadorias. O B/L serve três propósitos principais: é o contrato de transporte entre o shipper e o armador; serve de recibo de entrega da mercadoria; e é o título de posse da mercadoria, que normalmente pode ser negociado/transferido.

  • AirWay Bill – Assim como o B/L no transporte marítimo, o AirWay Bill é o documento mais importante no transporte aéreo de carga que, ao contrário deste, nunca pode ser negociável. As principais funções do AirWay Bill são de: Contrato de transporte; comprovativo de receção dos bens; carta de porte; certificado de seguro; declaração aduaneira…

  • Fatura Comercial – Emitida pelo fornecedor, a fatura comercial contém os dados da empresa e da carga. Em muitos países é usada para determinar o valor da mercadoria na avaliação das taxas alfandegárias.

  • Packing List – É um documento complementar à fatura comercial, que tem como objetivo descrever o conteúdo da remessa. Identifica volumes, dimensões, pesos, referências, etc., de cada embalagem. Resumidamente o Packing List incorpora caixas e/ou pacotes transportados enquanto a fatura comercial abrange cada item comercializado.

  • Certificado de Origem – Assim como o nome indica, comprova a origem da carga. Existem diversos Certificados de Origem, o mais comum é o Form A. Este formulário, para além de declarar a origem dos produtos, possibilita alcançar benefícios fiscais para determinadas mercadorias.

  • Certificado de Seguro – É uma forma de garantir ao consignatário que, durante o transporte, as possíveis perdas e/ou danos ocorridos nas suas mercadorias, estão cobertos.

 

Conclusão

Aqui demos apenas algumas dicas que podem ser úteis caso esteja a pensar internacionalizar o seu negócio. A internacionalização, e exportar ou importar para Portugal, pode ser a única hipótese de conseguir gerir uma empresa dinâmica e consistente. Ainda assim talvez seja bom não se atirar de cabeça. Trilhe um percurso sólido e com atenção à resposta que vai obtendo do mercado. Não se esqueça do mais importante, rodeie-se de pessoas/empresas seguras e com mais experiência neste campo. Recolha o máximo de informação possível.

Trabalhe, tenha confiança e acredite. A sua resiliência será recompensada!

 

Green Ibérica

 

 

[1] Incoterms são os termos internacionais utilizados no comércio, que determinam os deveres e obrigações do exportador e do importador. Saiba tudo acerca dos Incoterms no site da Câmara do Comércio Internacional (ICC).